As coisas assumem determinada forma consoante o prisma pelo qual são vistas.
Quando falamos de objectos assumimos que a distância que nos separa deles pode confundir a percepção de um pormenor essencial para que ele se torne importante.

Quando falamos de pessoas assumimos que um sentimento mais escuro condiciona uma história inteira. As coisas são o que são, sempre o foram. As flores sempre tiveram gotas de orvalho, os campos de relva sempre foram macios tal como sempre foi divertido saltar nas poças de água.

Nós sabemos que existem coisas que vão ser sempre do jeito que são, mas basta um dia mau para elas assumirem outra forma. Isso irrita-me. Muito. Era só isto que eu queria dizer.

Há coisas que merecem que nos lembremos sempre como elas são mesmo que cheguemos a odiar as estrelas.